Temer confirma possível aumento de isenção do IRPF: “útil, mas complicado”

0

Presidente Michel Temer disse que houve uma conversa inicial sobre o tema, mas não confirmou rumores de que o valor de isenção chegaria a R$ 4 mil.

rumores

 

O governo federal está estudando ampliar a faixa de isenção do Imposto de Renda da Pessoa Física (IRPF), conforme confirmou o presidente Michel Temer. Em contrapartida, os dividendos – que hoje em dia são isentos – passariam a ser tributados.

O que se comenta é que o atual valor (R$ 1.903 mil) poderia mais do que dobrar, chegando em R$ 4 mil. Essa informação, porém, não foi garantida por Temer.

Caso realmente seja feita a ampliação da faixa de isenção, um número significativamente maior de contribuintes seria beneficiado.

 

dinheiro caindo nas mãos


E é justamente esse o argumento para que surjam restrições dentro da própria área econômica.

O entendimento de quem se opõe a um aumento tão grande é de que, caso a isenção suba para R$ 4 mil, pessoas que ganham muito acima da renda média mensal seriam beneficiadas. Para se ter noção, em 2015, a renda mensal média do brasileiro foi de R$ 1.113 mil.

O presidente Temer, apesar de destacar os pontos positivos de uma possível ampliação de faixa, acredita que o caminho para que essa correção na tabela do Imposto de Renda seja aprovada é longo.

sacos de dinheiro

“Houve uma fala sobre a possibilidade de aumentar a faixa de isenção. Aqui, no Planalto, cadeiras e mesas têm ouvidos. Eu aprecio muitíssimo. Seria bom? Seria bom. Seria uma maneira de alcançar uma boa margem de trabalhadores que seriam beneficiados por isso de um lado e, de outro lado, também a economia que fariam ao invés de pagar o tributo, iriam gastar isso na economia nacional, destacou.

Mas é uma coisa complicada e foi fruto de uma breve fala que as paredes comentaram“, ponderou.

conversa sobre dinheiro

Temer também disse que “houve apenas uma primeira conversa” para verificar se seria possível ampliar a faixa limite do IR, e traçou um paralelo entre o benefício que isso traria para a economia com a liberação do saque de contas inativas do FGTS.

“Se for possível, claro, se aumenta a faixa de isenção, permitindo que muita gente possa economizar no pagamento do tributo para investir, para aplicar no varejo ou onde seja. Aliás, talvez haja relação lógica entre a liberação dos valores do FGTS que já chegam a R$ 28 bilhões e a melhora das compras no varejo”.

Compartilhar

Sobre o autor

Guilherme Uchoa

Integrante do Núcleo de Comunicação do Grupo Skill. Bacharel em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo, e pós-graduado em: Apuração e Produção de Reportagem; Criação e Edição do Texto Jornalístico para Diferentes Mídias; Jornalismo Cultural; Teoria da Comunicação; Comunicação, Redes Sociais e Cibercultura; e Comunicação, Globalização e Cultura da Imagem.

Os comentários estão fechado.