Ciclo de corte de juros deve gerar migração para poupança, diz estudo

0

Anefac comparou situação atual com cenário de 2012 e 2013.

De acordo com a Associação Nacional dos Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade (Anefac), o atual ciclo de corte dos juros básicos deve gerar uma migração do investidor de fundos com altas taxas de administração para a poupança.

juros, juros básicos, Selic, investimento, caderneta de poupança, rendimentos, pequeno investidor, grande investidor, dinheiro, economia, mercado

Para essa conclusão, foi levado em conta o ingresso recorde de recursos na caderneta entre 2012 e 2013, última vez em que a Selic esteve na casa de um dígito.

Os juros básicos voltaram a esse patamar no fim de julho, quando o Comitê de Política Monetária (Copom) reduziu a taxa em um ponto porcentual, para 9,25%.

Quando a Selic cai a um dígito, a lógica ao procurar ‘referenciados DI’ (fundos de investimento de baixo risco, que têm a maior parte de seu patrimônio formada por títulos do governo) é buscar fundos com taxa de administração de até 1%, explica o diretor de estudos e pesquisas econômicas da Anefac, Miguel José Ribeiro de Oliveira.

Naquela época (em 2012), não só o pequeno investidor, mas o grande investidor migrou para a poupança“, exemplificou.

Rendimento da caderneta

O mercado estima que, para a próxima reunião do Copom, em setembro, a taxa básica de juros tenha um corte adicional de 1 ponto porcentual.juros, juros básicos, Selic, investimento, caderneta de poupança, rendimentos, pequeno investidor, grande investidor, dinheiro, economia, mercado

Isso resultará em uma alteração automática na rentabilidade da poupança, fazendo com que a caderneta passe a render a Taxa Referencial (TR) mais 70% da meta Selic para os depósitos feitos a partir 4 de maio de 2012, em vez de remunerar com TR mais 0,50% ao mês.

Um estudo feito pela planejadora financeira Letícia Camargo indica que somente fundos com taxas de administração próximas ou menores que 1% remuneram mais do que a poupança em determinados prazos, considerando a Selic a 8,25% ao ano.

Aqueles que cobram até 1,20% ganham da poupança somente nos depósitos que duram mais de dois anos, quando a alíquota do Imposto de Renda (IR) cai a 15%. No estudo da especialista, fundos com taxas de 1,3% ou mais não ganham da poupança em nenhum prazo.

Fonte: Estadão Conteúdo

Compartilhar

Sobre o autor

Guilherme Uchoa

Integrante do Núcleo de Comunicação do Grupo Skill. Bacharel em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo, e pós-graduado em: Apuração e Produção de Reportagem; Criação e Edição do Texto Jornalístico para Diferentes Mídias; Jornalismo Cultural; Teoria da Comunicação; Comunicação, Redes Sociais e Cibercultura; e Comunicação, Globalização e Cultura da Imagem.

Os comentários estão fechado.