Em apenas um mês, 2,5 milhões de brasileiros foram vítimas de hackers

0

Bancos, empresas e até vagas de emprego estão sendo usados por hackers para roubar dados.

Apenas em janeiro de 2018 o Brasil já teve mais de 2,5 milhões de vítimas de ações de hackers. Essa é a conclusão do levantamento feito pela Kaspersky Lab (empresa russa de segurança na internet).

O estudo também aponta que, por aqui, foram realizadas 10 campanhas maliciosas no Whastapp somente no 1º mês do ano.

 

Os crimes cibernéticos consistem, na maioria dos casos, na disseminação de links criados por hackers. Em diversas situações, são usadas para isso páginas falsas na internet, que simulam portais oficiais.

Com aspecto e aparência oficial, esses portais falsos induzem os desavisados a clicar nesses links corrompidos. Portanto, os cibercriminosos criam versões falsas de sites de bancos (como Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal e Santander) ou de grandes empresas (casos de Walmart, Assaí, Burger King, Kibon, Spotify, O Boticário e Lojas Americanas).

Vaga de emprego?

A empresa russa explica que, hoje em dia, hackers têm criado falsas oportunidades de emprego para invadir o computador de suas vítimas e roubar seus dados. Esse tipo de ataque é ainda mais frequente nos primeiros meses do ano, que é um período em que há mais vagas disponíveis.

Novos tipos de golpe

Ainda de acordo com a empresa de segurança na internet, algumas ferramentas populares também estão se tornando porta de acesso para crimes virtuais. São os casos do navegador Chrome e o serviço de streaming Spotify.

No caso do navegador, a porta de entrada se dá através das notificações de portais de notícias. Quando o usuário acessa um site falso, ele é questionado se deseja algo. Mas, ao autorizar, ele na verdade está ativando o recebimento de notificações e fica mais sujeito a receber novos links.

Para desabilitar as notificações, é preciso acessar as configurações avançadas e remover o site da lista.

Já no 2º caso, o hacker cria uma campanha maliciosa que promete um ano de acesso gratuito ao streaming. As mensagens têm um link apontando para “spotiffy.net”, “spotify-br.com” e “spotify-usa.com”, que foram registrados por criminosos, segundo explica a Kaspersky.

O usuário acaba, então, sendo direcionado para páginas que oferecem a instalação de aplicativos ou a assinatura de serviços premium. O acesso à página também é usado para minerar a criptomoeda Coinhive.

Recomendações

Para evitar ser vítima desse tipo de atuação, a empresa de cibersegurança orienta que o usuário sempre desconfie de links recebidos. Isso vale mesmo que o link tenha sido enviado por uma pessoa conhecida.

Também orienta a nunca clicar em links de e-mails suspeitos e, quando tiver de visitar um banco online ou uma loja, digite manualmente o URL. Por fim, é valido ter uma solução de segurança robusta e não autorizar as notificações em qualquer website.

Compartilhar

Sobre o autor

Guilherme Uchoa

Integrante do Núcleo de Comunicação do Grupo Skill. Bacharel em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo, e pós-graduado em: Apuração e Produção de Reportagem; Criação e Edição do Texto Jornalístico para Diferentes Mídias; Jornalismo Cultural; Teoria da Comunicação; Comunicação, Redes Sociais e Cibercultura; e Comunicação, Globalização e Cultura da Imagem.

Os comentários estão fechado.