Exportação com tecnologia da informação é um bom remédio para superar a crise

0

Os dados da Balança Comercial Brasileira, divulgados em setembro, apresentaram um volume de exportação acumulado até o momento de US$132.391 bilhões, contra US$97.654 bilhões de importação, deixando, dessa maneira, a balança com saldo positivo de US$34.737 bilhões. Cada vez mais, as empresas têm buscado na exportação uma alternativa para a baixa demanda do mercado interno. E é com apoio do mercado externo que essas companhias estão reduzindo custos e tornando-se mais competitivas.

Hoje, essas empresas seguem um cronograma que tem início em 2017 e que vai até 2019 para inicio da escrituração da obrigação do Bloco-K junto ao SPED fiscal. Por isso, é preciso tirar proveito do momento dessa obrigação.

Mas como utilizar da tecnologia da informação para ter benefícios na exportação?

Lançado em 2016, o RECOF-SPED (Regime aduaneiro especial de entreposto industrial sob Controle Informatizado do Sistema Público de Escrituração Digital), aplica benefícios financeiros nas importações utilizadas no processo produtivo. Tais benefícios estão na suspensão do pagamento dos tributos o que, posteriormente, poderá a vir se tornar inexistente quando do pagamento de tributos na Exportação do produto acabado.
O benefício financeiro atrelado ao RECOF-SPED está acoplado ao processamento dos dados dos documentos de importação, fiscais, processos produtivos e outras informações da empresa que precisam ser vinculadas para cumprir os requisitos da legislação e, assim, poder usufruir do benefício em sua amplitude. Esse processamento deve ocorrer no âmbito da tecnologia da informação que deve garantir que os itens importados sobre o regime sejam priorizados nas exportações do produto acabado respeitando o algoritmo PEPS (Primeiro que entra / Primeiro que Sai). E quando destinado dentro do prazo no mercado interno tenha o recolhimento correto somente impostos da devida venda.
Por ser um regime que necessita da adimplência da escrituração do Bloco-K, as empresas devem buscar a implantação dos controles da tecnologia da informação necessários do regime RECOF-SPED em paralelo com a implantação do Bloco-K. Esse controle dará a sinergia no mapeamento e adequação dos processos exigidos pelo Bloco-K e RECOF-SPED, que se complementam entre obrigação e benefício financeiro.

Conheça um pouco mais sobre o RECOF-SPED e seus benefícios lendo Exportação com tecnologia da informação é um bom remédio para superar a crise.

Por Gustavo Felizardo

Fonte: Blog do José Adriano

O Grupo Skill quer saber…

urna_skill[poll id=”3″]

Compartilhar

Sobre o autor

Fonte

Esta é uma réplica publicada na fonte acima. As opiniões veiculadas no texto não refletem necessariamente a opinião do Grupo Skill.

Os comentários estão fechado.