Meirelles: Brasil já saiu da crise, mas sinais de melhoria vão demorar para aparecer

0

Ministro da Fazenda disse que o desemprego elevado tem feito com que a recuperação econômica não fique tão evidente.

A recessão financeira já acabou no Brasil, mas, apesar disso, ainda será necessário esperar alguns meses para que a população sinta na pele melhoras na economia.

economia, Meirelles, crise financeira, recessão, política, Brasil, melhoras na economia

Essa foi a análise feita pelo ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, durante uma palestra em um congresso em São Paulo.

De acordo com ele, o país está “na rota certa, e que a melhora econômica “vai começar a aparecer daqui a um pouco”.

Vamos começar a ver isso [sinais de melhora]devagar, mas vai aparecer”, garantiu o ministro.

 

Desemprego mascarando a melhora

Ainda de acordo com o responsável pela pasta fazendária, o alto índice de desemprego faz com que a retomada de crescimento ainda não fique evidente para a maior parte da população.

Já saímos da recessão mais longa da nossa história. Sei que muitas vezes a gente não gosta da expressão ‘já saímos’, porque tem alguns setores que estão com algum problema, o desemprego ainda está alto. Mas, o fato concreto é que os números mostram que a atividade já está crescendo, avaliou.

Evidentemente que o desemprego está elevado, então vai demandar vários meses até que de fato isso seja algo que comece a fazer efeito na vida das pessoas”, prosseguiu Meirelles, antes de concluir. “O mais importante é que [o desemprego]começou a cair“.

Reforma previdenciária

Já quando abordada a reforma da Previdência, Henrique Meirelles disse que trabalha com a expectativa de aprovação do tema ainda em 2017.

Compartilhar

Sobre o autor

Guilherme Uchoa

Integrante do Núcleo de Comunicação do Grupo Skill. Bacharel em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo, e pós-graduado em: Apuração e Produção de Reportagem; Criação e Edição do Texto Jornalístico para Diferentes Mídias; Jornalismo Cultural; Teoria da Comunicação; Comunicação, Redes Sociais e Cibercultura; e Comunicação, Globalização e Cultura da Imagem.

Os comentários estão fechado.