Micros e pequenos negócios representam 93% das empresas inadimplentes no Brasil

1

Entre elas, a maior parte é composta por empresas do comércio ou de serviços.

Mesmo com o país dando alguns sinais de recuperação, indicando um possível término da crise econômica, as micro e pequenas empresas ainda encontram-se em situação delicada.

pequenos negócios, empresas inadimplentes, MPE, serasa, recuperação, economia, consumo, inadimplência

Isso porque, de acordo com um estudo da Serasa Experian, o Brasil atingiu a marca recorde de 4,8 milhões de micro e pequenos empreendimentos inadimplentes. Esse dado refere-se a agosto deste ano e é 14% maior do que o registrado em agosto de 2016.

Para se ter noção da deterioração do quadro, 600 mil novos negócios entraram na relação de inadimplência entre esses 12 meses. Além disso, as pequenas empresas representam a maioria absoluta entre as 5,1 milhões de empresas de todos os portes que estavam na lista de devedores e com o CNPJ negativado.

Essas micros e pequenas representavam 93% do total de companhias inadimplentes no Brasil em agosto deste ano”, afirma o economista Luiz Rabi, responsável pelo estudo. “A inadimplência das pessoas jurídicas não para de crescer“, lamenta.

Uma vez com o CNPJ negativado, essas empresas ficam impossibilitadas de fazer transações bancárias.

Parcela cada vez maior

O estudo também mostrou que a participação das micro e pequenas empresas têm aumentado cada vez mais. Em março de 2017, havia 5 milhões de empresas inadimplentes no Brasil, sendo que 4,1 milhões delas eram micro ou pequenas empresas. Isso representava 82% do total.

Já a partir de junho, o número total de companhias inadimplentes chegou a 5,1 milhões, e a parcela dos pequenos empreendimentos nessa relação cresceu para 93% do total.

Segundo Rabi, há uma explicação para isso. Enquanto que as médias e grandes empresas conseguiram sair dessa relação por conta do aumento das exportações, as micros e pequenas empresas – que não exportam e dependem do mercado interno – ficaram diante de um cenário pior, já que a recuperação do consumo doméstico é apenas gradual.

Por setor

O levantamento da Serasa Experian ainda constatou que a maioria das pequenas e microempresas inadimplentes do país são prestadoras de serviços (45,4%) ou do comércio (45,3%). Uma parcela bem menor, de 8,8%, é composta por indústrias.

A Serasa considera como micro e pequena empresa aquelas que possuem faturamento anual de até R$ 4 milhões.

Compartilhar

Sobre o autor

Guilherme Uchoa

Integrante do Núcleo de Comunicação do Grupo Skill. Bacharel em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo, e pós-graduado em: Apuração e Produção de Reportagem; Criação e Edição do Texto Jornalístico para Diferentes Mídias; Jornalismo Cultural; Teoria da Comunicação; Comunicação, Redes Sociais e Cibercultura; e Comunicação, Globalização e Cultura da Imagem.

1 comentário

  1. Uma das causas dessa situação é que os novos micro-empresários , antigos empregados , pensavam que a vida de patrão era moleza.
    Agora estão vendo que empresário não tem horário, maioria trabalha mais de 10 horas por dia sem férias nem 13º.