Governo lança programa para facilitar acesso de startups ao mercado internacional

0

Programa foi lançado pelo Ministério das Relações Exteriores e Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços.

O governo lançou um programa para facilitar a exportação para as startups.

startups, startups brasileiras, pequenas empresas, governo, StartOut Brasil, mercado internacional

 

Batizado de StartOut Brasil, seu objetivo é fazer com que as pequenas empresas classificadas como startups tenham oportunidade de vender suas ideias para outros países, além de fechar acordos bilaterais ou negócios com a ajuda do governo e do setor privado.

O lançamento do programa foi realizado no último dia 24 de novembro e contou com a participação de representantes dos ministérios das Relações Exteriores e da Indústria, Comércio Exterior e Serviços; da Agência Brasileira de Promoção de Exportações (Apex-Brasil); da Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores e do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae).


Quatro missões

Estão programadas quatro missões empresariais do gênero. A primeira prevista para dezembro deste ano em Paris. As demais estão programadas para maio (Berlim); julho (Miami) e novembro (Lisboa) de 2018.

Para cada uma dessas inciativas serão selecionadas 15 startups. Os interessados que forem selecionados em processo licitatório contarão com consultoria especializada para se preparar para os negócios e as demais tratativas nos países programados.

Essa ação inclui visitas a empresas locais, incubadoras e aceleradoras, reuniões, encontros para investidores, e apoio pós-missão para definição de estratégia de internacionalização ou softlanding.


Critérios de escolha

Segundo explica o secretário de Inovação e Novos Negócios do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, Marcos Vinicius de Souza, os critérios de escolha levam em consideração itens como o grau de inovação, a capacidade de integração dos projetos ao ecossistema e maturidade das empresas.

Muitas empresas têm tecnologia, mas falta experiência para negociar”, disse.

Além disso, conforme afirma, essas empresas continuarão contando com apoio e consultoria mesmo após retornarem das missões.

Já a diretora técnica do Sebrae, Heloisa Menezes, disse que “o programa vai identificar oportunidades, além da capacitação, a mentoria e consultoria especializada e voltadas de acordo com as especificidades de cada empresa”.

Fonte: Diário do Comércio

Compartilhar

Sobre o autor

Guilherme Uchoa

Integrante do Núcleo de Comunicação do Grupo Skill. Bacharel em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo, e pós-graduado em: Apuração e Produção de Reportagem; Criação e Edição do Texto Jornalístico para Diferentes Mídias; Jornalismo Cultural; Teoria da Comunicação; Comunicação, Redes Sociais e Cibercultura; e Comunicação, Globalização e Cultura da Imagem.

Deixe um comentário