Mercado diverge sobre Selic no final do ano

0

São Paulo – Que a taxa de juro está alta, ninguém duvida. Mas pode piorar. Começa hoje o primeiro dia de reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) que irá decidir amanhã o rumo da taxa Selic. A maioria do mercado espera que a taxa, hoje em 12,75%, suba 0,50 ponto porcentual, para 13,25% ao ano.

Para o economista-chefe da Gradual Investimentos, André Perfeito, a inflação vem surpreendendo para cima e, além disso, ele chama a atenção para o fato de o efeito da alta do câmbio ainda não ter sido percebido integralmente. Ele lembra que desde setembro do ano passado a moeda norte-americana acumula ganho superior a 30%. “Isso ainda tem efeito no conjunto de preços do Brasil. A inflação corrente está muito elevada, não tem espaço para o BC parar com a inflação acima de 8%”, avalia.

Para Perfeito, a Selic deve encerrar o ano em 14,50% para ancorar as expectativas de 2016. “Isso é o que a autoridade vem falando”, afirma. O economista lembra ainda que sempre que a autoridade monetária enfrentou processo de max valorização agiu de forma enérgica e que o inverso também é verdadeiro. “Quando o BC sobe muito o juro ele já cria uma expectativa de que a queda será no mesmo ritmo”, diz.

Embora a alta do juro seja um “mal” necessário para evitar um maior avanço da inflação, o movimento influencia negativamente o crescimento da economia. Segundo o boletim Focus divulgado ontem pelo BC, os economistas esperam uma retração de 1,10% este ano no PIB, ante menos 1,03% na projeção da semana passada. Para o IPCA, as projeções subiram de 8,23% para 8,25%.

Para Perfeito, o salário e o desemprego serão as principais variáveis que irão ditar o ritmo da Selic. “Tem que aumentar o desemprego. Se os dados do Caged forem bons, não dá para parar de subir o juro”, diz, lembrando que emprego e renda se refletem em consumo que impacta a inflação.

O diretor da corretora Mirae Pablo Stipanicic Spyer também ressalta que o BC tem o compromisso de atingir a meta de inflação em 2016. “Trazer a inflação de 8,5% para 4,5% exigirá uma contração econômica bem forte, sofrida, mas o BC continua com seu compromisso de atingir a meta. Por essa razão, espero uma alta de 50 bps agora e, pelo menos, mais duas ou três de 25 bps”, afirma. O executivo ressalta que a situação do BC está bem complicada porque, mesmo que os preços administrados agora subam menos, a inflação livre está arrefecendo pouco. “A inflação livre está com uma correção muito modesta até o momento e a inflação salarial também arrefeceu pouco. Fica difícil não acreditar em novas altas da Selic”, aposta.

Em relatório, os analistas da SulAmerica Investimentos ressaltam que o consenso de alta foi pautado pelas manifestações recentes da autoridade monetária, em que reafirmaram a disposição de colocar a inflação em trajetória consistente com o centro da meta em 2016, avaliando também que o esforço efetuado até agora não foi suficiente. “A desvalorização cambial recente, o choque de preços administrados e a inércia inflacionária vêm mantendo a inflação corrente anual acima do teto da meta, forçando o BC a estender o ciclo de aperto monetário, que pode atingir 13,5% ”, estimam.

Já para o analista da corretora Concórdia Flavio Combat, este deve ser o último aumento da Selic este ano. “Projetamos um novo e derradeiro aumento de 0,50 pontos-base amanhã”, diz. Para 2016 a expectativa é de Selic em 12% ao ano.

O mercado, no entanto, ainda diverge sobre o momento em que o BC irá frear o aperto monetário com o fim do ciclo de alta da Selic. Mais otimistas, em relatório divulgado ontem, os analistas do Bradesco afirmaram que esperam uma alta de apenas 0,25 ponto porcentual para amanhã, que elevaria a Selic para 13%. “Acreditamos que o BC encerrará o ciclo de aperto monetário”, afirmam em relatório.

Alta da taxa afetará ainda mais o bolso do consumidorMedida-provisória-670-2015-mantida-íntegra-tabela-imposto-renda-reajuste

O diretor de estudos e pesquisas econômicas da Associação Nacional dos Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade (Anefac), Miguel José Ribeiro de Oliveira, chama a atenção para o fato de o aumento de 0,50 pontos base não ter grande impacto no bolso do consumidor quando se olha o movimento isoladamente. No caso do cheque especial, a taxa média mensal passaria de 9,64% para 9,68%. “Sozinho, o impacto é pequeno. Mas é importante lembrar que a taxa saiu de 7,25% em março de 2013, para o atual patamar”, diz. Desde então, ocorreram 13 elevações da taxa Selic. Na ocasião, a taxa do cheque especial era de 7,75%.

Por outro lado, esse aumento vai tornando o investimento em renda fixa cada vez mais atrativo ante a poupança. Neste caso, é preciso considerar a taxa de administração. Segundo o levantamento da Anefac, numa taxa de administração de até 2% a 2,5% os fundos de renda fixa tendem a ser mais atrativos. Segundo dados da Anbima, no primeiro trimestre do ano, os fundos de renda fixa registraram captação líquida de R$ 6,85 bilhões. No mês, até o dia 22, a captação está em R$ 3,7 bilhões, ou seja, mais da metade de todo o valor dos três primeiros meses do ano.

Para Oliveira, esse movimento da Selic deve continuar contribuindo para a retirada de recursos da poupança, com os investidores usando o dinheiro para honrar compromissos e também em busca de melhores rentabilidades. “A sangria da poupança deve continuar nos próximos meses”, estima.

 

Fonte: Brasil Econômico

Veja também:

MPEs são beneficiadas por mudanças na Lei de Recuperação e Falências

Brasil está no “pico da curva” de aceleração de inflação

Compartilhar

Sobre o autor

Equipe Skill

Desde 1979 a nossa missão é oferecer aos nossos clientes o mais alto nível de excelência na prestação de serviços, apresentando resultados, soluções e planejamento com profissionalismo, qualidade, precisão e ética. Nossos escritórios oferecem o suporte necessário para que a equipe de profissionais SKILL atue em todas as regiões do Brasil, o que torna nossa organização capaz de atender às necessidades específicas de cada cliente, oferecendo os serviços consultoria, contabilidade e tecnologia da informação.

Os comentários estão fechado.